bloga8

bloga8

in uterus

Olá mamã!

Eu ainda não nasci mas o meu coraçãozinho já bate dentro da tua barriga. Consigo perceber o som da tua voz e reconheço o meu pai sempre que ele fala para ti – as borboletas que moram aqui perto de mim, também começam a bater as suas asas bem forte e o teu coração fica ligeiramente acelerado.

continuar a ler

bloga8, Make me Craft, Parentalidade

o calendário da felicidade

Um dos meus grandes problemas desde que os meninos saíram da creche e passaram para o jardim infantil, foi a comunicação com eles do que se passava na escola durante o dia. E, apesar de eles serem comunicativos e autónomos, são na mesma medida reservados.

Não costumo fazer as tais perguntas-tipo “Como correu a escola?” ou “Hoje o que almoçaste?”

continuar a ler

bloga8, Crianças, Opinião|Bea, Parentalidade

“sou um menino agitado”

Era terça-Feira pelas cinco e trinta e cinco e chegaste a nossa casa um pouco aborrecido. Pedi para me ajudares a encontrar a chave do carro para irmos aos correios que fechavam às seis.
Sem resmungar, encontras as chaves e disseste-me com um sorriso rasgado: “estás a ver mãe, sou mesmo bom a encontrar as tuas coisas perdidas”. E és Realmente, és bom a encontrar coisas, como o teu irmão escondido na porta do armário ou até os comandos da consola que eu “arrumo” para não os veres.

continuar a ler

bloga8, Gravidez e Pós-Parto, Opinião|Bea, Parentalidade

avós, querem ajudar?

Quando nasce um bebé nasce uma nova mãe. É daqueles clichés que ouvimos na gravidez e, nomeadamente este, não poderia estar mais certo. Cada gravidez é única. E em cada uma delas nasce uma nova mãe. Do meu primeiro parto, nasceu a mãe do Pedro e do segundo, nasceu a mãe do Miguel. Felizmente, tive muita ajuda dos avós dos meus filhos neste primeiro início da maternidade de cada um deles e isso fez com que algumas coisas corressem bem melhor do que se estivesse sozinha.

continuar a ler
bloga8, Opinião|Bea

o silêncio das inocentes

Há dias, quando lia uma notícia que uma menina de 12 anos tinha ficado grávida de um presumível homem adulto, vi imensos comentários a culpabilizar a criança: que com aquela idade (reforço que tinha apenas 12 anos) já sabia mais que muitas mulheres adultas e que, mentiu, aquando o seu envolvimento com o homem, dizendo que tinha 16 anos. Acontece que, quando o homem soube da sua idade real, continuou a praticar os atos sexuais, inclusivé engravidou a criança.

Eu até posso acreditar que muitas meninas de 12 anos sejam maduras e consigam parecer mais velhas e que, em alguns casos, até tenham conhecimentos da sexualidade que consigam alterar a verdade dos factos para um homem menos astuto e inteligente e até consigo entender que, como há muito homem desesperado, a invenção ou ocultação da idade perante a menor, tenha sido um fator atenuante no início da relação, mas olhando para o caso com mais atenção, reparo em dois ou três aspetos que me fazem refletir:

continuar a ler