És mãe? Então não tens lugar para ti.

Não estou nem estava à procura de emprego mas, certo dia, vi um anúncio que encaixava no meu perfil de candidatura. “Porquê que não posso arriscar?”, pensei eu e sem grandes preocupações: afinal eu não estava à procura de emprego nem aspirava desistir da minha vida nómada.

Adoro a minha (quase total) liberdade horária que o meu trabalho me dá: sim, é um trabalho e não um emprego, mas, hoje em dia, quem se pode gabar que tem um emprego, daqueles das 9h as 17h, com ordenados chorudos e sem grandes preocupações? Pois, nem o Presidente Marcelo.

Peguei no anuncio e redigi o e-mail anexando o meu CV. Falei com outro amigo, que achava que se enquadrava no perfil e ele, também se candidatou. Nunca mais pensei no assunto porque não estava realmente muito interessada no posto de trabalho: candidatei-me apenas por descargo de consciência. Passado umas semanas, o meu amigo recebe um e-mail de validação da candidatura com marcação de entrevista. E aquilo não me saía da cabeça. Como é que ele, com menos experiência laboral no ramo, com menos qualificações que eu e a viver a mais de 60 km consegue uma entrevista e eu não?

Comecei a matutar em tudo o que tenho conversado com a Carina, que é mais experiente nas questões laborais que eu, e pensei que tudo poderia estar mal com o meu CV – mas não. De repente, lembrei-me de uma coisa que tantas vezes ela me diz: “o mercado de trabalho ainda não está maturado para as famílias”. E a bem da verdade, decidi experimentar. Mudei o meu nome do CV (Coloquei o meu Primeiro nome próprio – Maria e outro apelido) e coloquei a morada dos meus pais em vez da minha. Alterei o meu e-mail para outro que já não usava com tanta frequência e retirei que tinha 2 filhos.

Enviei o mesmo e-mail, o “novo” curriculum (com o mesmo layout e tudo) e confiei no Universo.

Passadas 2 horas, tinha um pedido de entrevista no meu e-mail descontinuado. Não queria acreditar no que tinha acontecido.

Fui à entrevista à hora marcada: as minhas pernas tremiam tanto como num exame de Química Orgânica. Eu não queria nada daquele emprego, mas estava lá com a minha missão – obter respostas.

Entrei para uma sala despida, típica de uma sala de reuniões de pessoas cinzentas. Apresentei-me como Maria, apesar de não gostar nada de ser tratada assim. Apresentaram-me o que iria fazer, a minha remuneração base e até me apresentaram o meu “futuro” local de trabalho. No final, quase a perder a coragem de dizer o quer que seja perguntei: “Porque não entrevistam mães?”. A recrutadora e o diretor dos recursos humanos, ficaram sem perceber muito bem a pergunta e eu sem obter a minha tão ansiada resposta, apresentei os meus factos: os meus dois CV praticamente iguais, os meus e-mails, as minhas conclusões.

“Não queremos que a vida familiar impeça a vida profissional”.

Preferia que me tivessem batido do que me dirigissem essas palavras. O que é certo é que nesse momento, levantei-me e abandonei a sala. Deixei um cartão com o número do meu advogado e vou até às últimas consequências. Não é por mim, é por todas.

Artigo por Bea

Mulher, mãe de dois rapazes, apaixonada por flamingos e completamente chocoholic. Adora ler, dançar, comer e experimentar coisas novas.

Este artigo tem 10 comentários
  1. lau diz:

    Tão triste…
    Vai-nos mantendo a par, isto é muito grave.

  2. Nelma diz:

    Infelizmente uma mulher a partir do momento que é mãe torná-lo para as impresas uma incapacitada. Devem pensar que lá por sermos mãe que o nosso rendimento vai ser inferior.
    Ms esquecem se de uma coisa muito importante não existe ninguém mais motivado e ambicioso que uma mãe que só quer dar o melhor ao seu filho

  3. Isa diz:

    Infelizmente é uma realidade muito atual ainda! E é revoltante. Acabei de ser despedida dois dias depois de regressar de uma baixa por aborto. Ainda estou a digerir a informação, mas definitivamente esta gente não pode ficar impune.
    Vai dando novidades. E parabéns pela coragem
    🙏🙏🙏

    • Bea diz:

      Lamento muito a tua perda Isa. Se precisares de alguma coisa, sabes que podes contar comigo para o que precisares. Um beijinho grande cheio de coragem para ti.

  4. Sílvia diz:

    Engraçado, os pais dos filhos das mulheres não têm vida familiar? Isto parece o século XVIII! Como se os pais não pudessem sair do trabalho para cuidar de filhos doentes, não pudessem ir buscar à escola ou levar à natação, não pudessem fazer o jantar e passar a roupa! Esta mentalidade nojenta de que os homens é que têm foco no trabalho e as mulheres são para ficar em casa a tomar conta dos filhos, já se vão séculos de abusos e desigualdade quando somos tão melhores que muitos dos que nos passam a frente, só porque somos mulheres! O sexo, a raça, a cor com que se nasce não deveriam nunca definir os lugar onde chegamos…apenas as nossas competências. Sempre que não recebemos uma resposta a uma candidatura deveríamos fazer exactamente o que fez, perguntar cara a cara o porquê?! E processar a seguir…admiro a sua coragem e a sua força. O seu amigo, não tem filhos? Ou nem precisa de colocar isso no curriculum?! Ardem-me as entranhas ao saber uma história destas, em pleno 2018!

    • Bea diz:

      Por acaso a pessoa que referi ainda não tem filhos mas nem sequer questionei, por esquecimento, qual seria o critério se um homem colocasse que era pai no CV. Concordo em absoluto com o que escreveste. Um beijinho

  5. Rute diz:

    Não tenho por hábito comentar, mas a bem da verdade, felizmente ainda há empresas (pessoas) com outros valores. Estava eu grávida de 6 meses (grande barriga) e apesar de estar a trabalhar, tive proposta de outra empresa. Passados 2 meses entrei nessa nova empresa sabendo toda a gente que passadas poucas semanas estaria novamente fora uns meses. Isto só para dizer que podem ser poucas, mas ainda há por aí pessoas que nos valorizam pelo trabalho, que é o essencial nestes casos.
    Agradeço pela minha parte e enquanto mãe de dois, a iniciativa e coragem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.