[psicologia] O que é Yoga?

A prática de yoga tem-se generalizado pelo mundo. É comum vermos yoga nos ginásios ou centros, nos infantários, nas escolas, nas empresas. Não obstante, muitos vêem o yoga apenas como uma prática física, outros acham que se trata de uma seita religiosa.

O texto de hoje esclarece!

“People have many ideas of what yoga is, but rarely do they come anywhere near the width and depth of yoga.” (Vivekananda, 2013).

O que é o Yoga

São muitas as definições de yoga, e todas elas não serão suficientes para abranger a latitude daquilo que representa.

“O Yoga não é algo que fazemos, mas algo que somos e em que nos tornamos. Sem essa consciência todo-abrangente, o Yoga assemelha-se a um sol sem calor e sem luz”. (Feuerstein, 2005)

O yoga pode ser entendido como uma prática de desenvolvimento pessoal; um método; uma forma de disciplina que pode ser utilizada para fortalecer o espírito, a mente, o corpo e a vida; uma filosofia.

O Yoga é uma das seis escolas de filosofia hindu em que se utiliza um conjunto de técnicas com o intuito de alcançar a união com o “divino”, ou seja, estado superior de consciência, êxtase ou plenitude, através de práticas contemplativas.

O yoga também é entendido como “uma ciência de grandeza e profundidade extraordinárias (…) a ciência de criar situações internas (…)” (Sadhguru, 2017).

“A ciência do yoga consiste em, muito simplesmente, estar em perfeito alinhamento, em harmonia absoluta, em sincronia total com a existência.” (Sadhguru, 2017)

As práticas de Yoga têm sido adaptadas a várias culturas e religiões (na Índia, à religião Hindu; no Brasil foi adaptado à religião Cristã), mas não se constitui nem uma religião, nem uma seita (fanatismos haverão e não é apanágio de nenhum tema em específico!).

“Sem fronteiras, não há fardos” (Sadhguru, 2017).

O Yoga surgiu na Índia há mais de 5 mil anos, e o seu conhecimento ancestral era passado entre mestres e praticantes. Crê-se que as escrituras tradicionais do yoga, conhecidos como vedas (as mais antigas escrituras da humanidade), terão surgido muito mais tarde. Alguns exemplos são o Yoga Sutra de Patanjali (Séc. V), o Bhagavad Gitā (Séc. VIII), o Hatha Yoga Pradīpikā de Svātmārāma (Séc. XIV), e o Gheranda Samhitā (Séc. XVI), entre outros.

Se analisarmos a etimologia da palavra, Yoga deriva de yug em sânscrito (língua ancestral do Nepal e da Índia), que significa literalmente juntar, unir, irmanar, harmonizar, equilibrar, integrar. Também se pode entender como “unificação de si mesmo” ou “unificar-se em si mesmo” (Hermógenes, 2016). E isto é o que a prática de yoga faz.

…Mas, o que há para harmonizar?

Yoga – união

O Yoga designa um estado em que o indivíduo vivencia a união com a existência e refere-se à ciência ancestral (espiritual) que disponibiliza os métodos e as técnicas (ou tecnologias) para atingir essa condição.

Então, através do yoga, harmoniza-se a relação entre as cinco “camadas” que constituem o corpo humano, que em sânscrito se denominam de Koshas.

  • o corpo físico ou material – annamaya kosha;
  • o corpo vital ou energético (respiração) – pranamaya kosha;
  • o corpo mental ou emocional – manomayakosha;
  • o corpo do conhecimento ou sabedoria – vijnanamaya kosha;
  • o corpo da felicidade ou plenitude – anandamaya kosha.

Os koshas permitem-nos conhecer a profundidade da mente humana e, em última instância, a compreender o estado de dhyana, ou seja, meditação.

A harmonização dos nossos cinco koshas interfere na melhoria de doença física, baixa vitalidade (ou desequilíbrio), ou até perturbações ao nível da mente e emoções. A prática física de yoga, harmoniza os sistemas endócrino, neurológico e imunitário. A prática de meditação harmoniza a nossa percepção, pensamento, emoções e comportamento, entre outros.

Em ultima instância, de acordo com os ensinamentos de yoga, o resultado é harmonia e unidade da consciência individual da pessoa, com a consciência superior (mente pura, Samadhi e kundalini).

Práticas no Yoga

O exercício de yoga pode contemplar um conjunto de práticas variadas, tais como:

posturas (asanas) – movimentos de flexibilidade, força e/ou equilíbrio, que podem ser deitadas, sentadas, de pé ou invertidas. São a versão mais conhecida do Yoga no ocidente. Existem, no entanto, milhares de posturas possíveis, de acordo com os escritos ancestrais.

práticas de limpeza (shatkarmas) – constituem seis (shat) acções (karmas) de purificação, ou kriyas, que são exercícios ancestrais de limpeza interna, com o objectivo de eliminar as toxinas e purificar o organismo, preparando-o para os asanas e pranayamas. Este processo também equilibra as emoções e os doshas (perfil biológico do indivíduo, de acordo com o ayurveda, a medicina tradicional indiana).

exercícios respiratórios (pranayamas) – têm como função e objectivo, aumentar a vitalidade, relaxamento e equilíbrio de vários pontos do nosso corpo. Ajudam a aumentar a capacidade respiratória (energia prânica) e salientam que a boa respiração deve ser nasal (Hermógenes, 2016, pp.80)!

atitudes e gestos (bandhas e mudras) – uma boa prática de yoga deve começar com uma intenção consciente. A atitude e a contração muscular (mãos e/ou com determinadas zonas do corpo), têm vários efeitos. Ao nível neuropsicológico, internalizam a consciência, estimulam o sistema nervoso central e criam uma sensação de relaxamento e bem-estar; também ajudam a aumentar e redirecionar o fluxo de energia prânica para a prática.

mantras – Sons que produzem uma vibração especial e que têm efeito em todas as dimensões do ser humano. O som mais conhecido é o OM (aum ou ॐ), encarado como sendo o som do universo ou o corpo sonoro do absoluto.

relaxamento mental (pratyahara) – esta prática permite-nos fazer um retiro do mundo e encontrar a paz no nosso interior. É uma fase preliminar para os estágios mais profundos da meditação.

meditação (dharana, dhyana e samadhi) – composta por três estágios de profundidade progressiva da consciência, até ao chamado estágio transcendental. A maioria das pessoas estará muito longe de atingir o último estádio, mas as práticas colocam-nos “no caminho” para todos os benefícios da meditação, cada um no seu nível de desenvolvimento.

Benefícios do Yoga

O Yoga é uma vasta sabedoria de técnicas que têm efeitos benéficos no corpo, na vitalidade, na mente, no intelecto, nas emoções e nos estados emocionais. Por isso se diz que a yogaterapia é um treino holístico, ou seja, do homem integral (Hermógenes, 2016).

É muito comum os praticantes narrarem sentimentos de saúde, paz, criatividade, alegria e felicidade, especialmente porque muitas das práticas levam a exercitar zonas que raramente são trabalhadas (por exemplo, coluna, vísceras, respiração nasal completa, mente), ou até perceberem que o seu corpo consegue fazer posturas que jamais imaginaram, porque nunca tentaram, beneficiando dos seus efeitos terapêuticos. O sistema nervoso é um dos que beneficia!

Para além dos benefícios físicos, todas as práticas de yoga têm benefícios psicológicos (e psicossomáticos). Aqui destaco alguns (adaptado de Hermógenes, 2016):

  • Tranquilização de crises emocionais; alcance de equilíbrio emocional e afectivo;
  • Tranquilização da mente e correcção da divagação mental;
  • Melhoria das atitudes mentais;
  • Sensações de calma, paz e serenidade;
  • Desenvolvimento de força de vontade;
  • Sensação de vivência profunda; acesso ao consciente profundo;
  • Harmonização consigo mesmo e com o universo;
  • Indução do sentimento de auto-expação;
  • Coadjuvante na cura de insónias;
  • Previne e alivia sentimentos de inferioridade, angústia, desânimo e depressão;
  • Aumento da energia psíquica, sensação de vitalidade e vivacidade da mente;
  • Desenvolvimento de autoconfiança e entusiasmo para viver;
  • Aumento da capacidade de auto-domínio e de concentração;
  • Aumento do sentido de equilíbrio e segurança psicológica;
  • Sensação de bem-estar, tranquilidade e até de prazer;
  • Psico-estimulante!

Nota: o Yoga para crianças exclui práticas específicas por serem de nível avançado (destinadas a adultos). Incluem, no entanto, práticas totalmente adaptadas às crianças e têm igualmente imensos benefícios associados – que dariam um texto só sobre o tema Yoga para crianças!

Ramificações do Yoga e variantes

O yoga é apenas um. Dependendo da natureza de cada praticante (yogui), a tradição prevê caminhos possíveis para chegar ao mesmo alcance. De forma sucinta, descrevo a maioria das ramificações e variantes do yoga:

Karma Yoga é o primeiro Yoga a ser descrito nos upanishads (estudos complementares dos vedas) e tem escolha entre os participantes com uma natureza mais dinâmica;

Raja Yoga (yama e nyama) envolve grande concentração mental através do aperfeiçoamento do equilíbrio do corpo/mente nas suas várias dimensões;

Jnana yoga é a escolha de quem tem inclinação e intuição para a contemplação filosófica;

Bhakti yoga, opção para quem tem uma natureza mais emocional e de devoção.

Variante Hatha Yoga, que contempla um sistema de práticas considerado por alguns mestres como uma ciência de purificação. Ha significa sol, Tha significa lua. Hatha yoga é a ciência de criar um equilíbrio entre estas duas dimensões do sistema humano (sadhguru, 2017, pp 107).

Variante Satyananda Yoga (Bihar yoga) – desenvolvido pelo Swami Satyananda, que terá procurado levar o yoga a um público mais vasto e acabar com velhos mitos, constituindo um caminho integrado do yoga.

Interessante, nesta última variante, foi descobrir que Swami Satyananda procurou “inspirar as pessoas para que se encontrassem a si mesmas, através de um comportamento correcto fruto do discernimento, através de acções e discursos positivos, proporcionando assim uma transformação da personalidade humana”[1]. E isto parece-me psicologia positiva aplicada, que todos temos ao nosso alcance nos dias de hoje!

Não obstante a escolha pessoal de cada praticante, as várias vertentes do yoga visam contribuir para o desenvolvimento integral do ser humano.

E o yoga pode ser praticado por homens e mulheres, meninos e meninas! Qualquer que seja a faixa etária ou a condição, pode ser praticado por crianças, jovens, adultos, idosos, grávidas, crianças dotadas, crianças com necessidades educativas especiais, ou seja, todos! Cada prática é adaptada às características e condições do praticante, com a premissa de a fazer no nível que lhe for confortável.

“Basta um pouco de felicidade para o libertar das suas limitações normais de energia e capacidades.” (Sadhguru, 2017)

“… E agora, yoga!” (Pantajali) [2]

Vamos contemplar e praticar a felicidade interior? Até breve!

Joana Madureira


BIBLIOGRAFIA

Feuerstein, G. (2005). A tradição do Yoga. São Paulo: Editora Pensamento.

Hermógenes, J. (2016). Autoperfeição com Hatha Yoga: um clássico sobre saúde e qualidade de vida. Rio de Janeiro: Editora Best Seller.

Sadhguru, J. V. (2017). Engenharia Interior. Braga: Editora Nascente.

Vivekananda, R. (2013). Pratical Yoga Psychology. New Deli: Yoga Publications Trust.

[1] https://www.yogapt.net/satyananda_yoga/

[2] http://www.bibliotecaespiritual.com/pdf_obras/Aforismos%20del%20Yoga%20de%20Patanjali++.pdf

Artigo por Joana Madureira

Mulher e Mãe de duas crianças. Psicóloga e Formadora Facilitadora em Parentalidade Consciente Mentora da marca registada SCHOLA - Educar para a Felicidade.

Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.