[pediatria] Síndrome da creche

Por definição, creche é o estabelecimento educativo para crianças até 3 anos de idade. Síndrome da creche é o termo utilizado para definir as crianças dessa faixa etária que são acometidas por infecções de repetição, geralmente de vias aéreas.
Se antes as crianças entravam na escola por volta dos 5 anos de idade, agora isso acontece cada vez mais cedo.
As crianças que frequentam creche têm cerca de 6-8 episódios de infecções ao ano. Retirando o período de férias e os meses de verão, é quase um episódio por mês. Por isso que algumas famílias experimentam a sensação de que a criança está sempre adoecida: resfriados, otite, faringite, varicela, roséola, mão-pé-boca… e por aí vai.

Meu filho entrou na creche e vive doente, ele tem “imunidade baixa”?

Não. Os recém-nascidos recebem anticorpos da mãe através da placenta, nascendo com níveis adequados de anticorpos, o que lhes propicia proteção contra infecções nos primeiros meses de vida. Além do leite materno, que propicia inúmeros benefícios para a imunidade do bebê. Porém, durante os primeiros anos a criança passa por um processo NATURAL de imaturidade de seu sistema imunológico, o que a torna mais vulnerável a infecções. Entretanto, estas infecções são leves e geralmente não apresentam complicações. O leite materno é uma fonte rica de anticorpos e de outros componentes valiosos para a defesa do organismo. Este é um dos motivos da importância da manutenção do aleitamento materno até quando possível, principalmente no primeiro ano de vida.
O sistema imunológico continua a amadurecer ao longo dos anos subsequentes.

Como a alimentação interfere nesse processo?

O sistema imunológico utiliza diversos micronutrientes (como ferro, zinco, selênio, etc) para manter suas defesas ativas. É necessária uma dieta equilibrada e balanceada para manter a saúde em dia.

Então basta dar uma vitamina que tudo melhora?

Não, pois nem sempre se tem integridade intestinal para absorver os nutrientes. Por isso que muitas mães iniciam vitaminas e não notam melhora. A criança simplesmente não absorve. Mais do que vitaminas, precisa-se reestruturar a dieta da criança. Você não é o que você come, mas o que você absorve.

O que podemos fazer diante disso?

– Postergar o quanto puder a entrada na creche.
– Escolha bem a creche: tanto pelo cuidado como pela dieta ofertada.
– Não leve seu filho doente à creche, mesmo que os sintomas sejam leves, ele passará facilmente para outras crianças. Aqui entram vários “poréns”, já que a maioria dos pais não consegue se ausentar do trabalho e muitas vezes as crianças não tem com quem ficar. Mas, para aqueles que tem esta opção, permanecer afastada da creche diante de um quadro infeccioso é o melhor.
– Higiene diária nas narinas com soro fisiológico.

Como aumentar a imunidade?

– Manter aleitamento materno até quando possível e desejado
– Diminuir farináceos refinados e zero açúcar refinado!
– Aumentar o consumo de frutas e verduras
– Manter calendário vacinal atualizado
– Atividades físicas e brincadeiras ativas
– Banho de sol diário, quando possível
– Probióticos: sempre prescrito por pediatra ou nutricionista.

Ok, entendi. Mas, e quando me preocupar?

Algumas crianças precisam ser investigadas para imunodeficiência, quando existe realmente algum problema de imunidade na criança. Doenças complicadas e graves recorrentes, com uso repetitivo de antibióticos, chamam a atenção. Falarei em um post específico sobre imunodeficiência.
Sempre avalie com o teu pediatra de confiança.

Artigo por Evandro Amorim

A saúde do seu filho está em boas mãos: as suas. Mas quando precisar de ajuda e orientação conte connosco! Medico Pediatra | Brasil | CRM/SC 17.363 RQE/SC 12.828

Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.