[psicologia] A importância da Rotina para as crianças

Não estarei longe de acertar, se disser que todos nós já desejamos que o dia tivesse mais horas. Quem nunca deu por si com assuntos pendentes e sem tempo para os tratar?

Depois dos filhos, o dia não cresce, mas as tarefas acumulam e a nossa capacidade de resposta parece ter de multiplicar para chegar a todo lado. E é aqui que sentimos a importância do planeamento e da organização do tempo.

No entanto, as pessoas não são objectos que se arrumam em gavetas, nem os momentos são passíveis de fazer “pausa” (e às vezes parece que acontece tudo ao mesmo tempo). Logo, planeamento e organização são prioritários. No que toca a relações humanas, especialmente com crianças, a rotina pode ser um grande aliado.

Rotina – o que é?

O conceito de rotina, pode ter vários sinónimos, consoante o contexto em que é aplicado. Não obstante, neste caso presente, a rotina não deverá ser sinónimo de inflexibilidade, nem monotonia. A rotina deve ser uma presença positiva na vida das pessoas, um aliado do planeamento e da organização do tempo, mas passível de ser modificada ou ajustada consoantes as necessidades.

O planeamento e a organização do tempo, permitem criar momentos que acontecem com regularidade, e é a isto que se chama de rotina.

Rotina – que importância?

Já tive oportunidade de escrever, noutro texto do Blog a 8, que “uma criança nasce completamente desprovida de bagagem vivencial. Com isto, quero dizer que o seu cérebro é fértil para aprendizagens, mas possui zero de experiência“. Como tal, uma criança de tenra idade, enfrenta diariamente aprendizagens constantes, o que pode ser tão entusiasmante quanto assustador, por tudo ser desconhecido.

Para todas crianças pequenas, mas em especial para as que se encontram na primeira infância (aproximadamente até aos 5 anos de idade), a existência de rotinas transmite segurança, clareza e abrangência sobre as situações vividas, ou a vivenciar.

Para os autores Hohmann & Weikart (2011: 227), a rotina serve como um meio de aprendizagem e desenvolvimento integral, já que “oferece um enquadramento estável no qual as crianças (…) podem sem perigo iniciar, reflectir sobre, modificar e expandir as experiências de aprendizagem pela acção”.

A rotina, tem como objectivo oferecer à criança a sensação de que já controla as suas acções e que conhece os momentos que se seguirão, auxiliando-a no complexo processo de construção da sua identidade, autonomia e auto-confiança.

São exemplos de rotina, os hábitos de sono, de higiene, de alimentação, de estudo, de lazer, entre outros.

DSC_0652

Ciclos Circadianos

O ciclo (ou ritmo) circadiano, representa o período de um dia completo (24 horas), no qual se completam as actividades do ciclo biológico dos seres vivos, como por exemplo, o controlo do sono e do apetite, através do ajustamento do chamado “relógio biológico”.

As rotinas têm a sua interferência nos nossos ritmos circadianos. Por isso, um profissional com turnos nocturnos, necessita de alguma rotina e previsibilidade no seu emprego para conseguir ajustar o seu “relógio biológico” e permitir ao seu corpo encontrar o seu ciclo circadiano.

As crianças não são diferentes. Elas nascem com uma rotina intra-uterina (geralmente dormem quando a mãe está desperta; e acordam com mais frequência quando a mãe se deita), e após o parto reiniciam uma adaptação aos horários. E, durante todo o seu processo de crescimento e desenvolvimento, terão reajustamentos.

Por isso, é importante que a família, mas também os educadores e professores, estabelecem rotinas adequadas e de qualidade, para as crianças. E nós, como adultos, pais e cuidadores, também precisamos dessa rotina e previsibilidade para nos organizarmos e termos momentos de descanso.

E, em tempo de férias, aqui fica uma Dica: pratiquem hábitos e horários flexíveis, mas que não sejam muito desfasados do que costumam fazer em tempo de aulas e de empregos, para permitir que uma readaptação do organismo facilitada. Bom descanso!

Até breve!

Joana Madureira

 


BIBLIOGRAFIA

Post, J. & Hohmann, M. (2003). Educação de Bebés em Infantários – Cuidados e Primeiras Aprendizagens. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Kagan, J., Kearsley, R. & Zelazo, P. (1978). Infancy: Its place in Human Development. Cambridge: Harvard University Press.

WEBGRAFIA

http://www.infoescola.com/fisiologia/ritmos-circadianos/

Artigo por Joana Madureira

Mulher e Mãe de duas crianças. Psicóloga e Formadora Facilitadora em Parentalidade Consciente Mentora da marca registada SCHOLA - Educar para a Felicidade.

Este artigo tem 0 comentários
  1. […] texto já se escreveu sobre ciclos circadianos (podem reler aqui). O ciclo circadiano no adulto faz-se em função das 24h, regulado pela alternância do dia e da […]

  2. […] que mesmo sabendo da importância das rotinas e tendo em consideração as sugestões para preparar os miúdos para o início das aulas, os […]

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.