Crianças

Bloga8, organização

[organização] Compras com Crianças? Claro que Sim!

Compras em 3… 2… 1…

Já alguma vez experimentou fazer compras com os seus pequenos dividendos do quociente familiar (uma outra forma de dizer filhos)?

Neste momento com 3 filhos de 12, 10 e 8 anos no meu portfolio de mãe posso dizer que já tenho praticamente a pós-graduação de compras com miudagem, desde a idade em que nos atiram de tudo para dentro do carrinho, levando quem se encontra à nossa volta a questionar-se se entrámos em guerra com algum país vizinho, até à idade fabulosa em que exercitam com assiduidade a prática milenar do rodar dos olhos, sobretudo quando a mãe diz alguma coisa de terrivelmente anacrónico e não fashion.

continuar a ler

Bloga8, Crianças, Irmãos

[organização com crianças] 5 dicas de arrumação para espaços de brincar

Não está fácil, pois não? Isto de gerir a nossa casa assemelha-se cada vez mais àquele pequeno momento do primeiro filme da trilogia “The Matrix” em que aparece o gato duas vezes. Como se chamava ele? Ah sim! Déjá vu!

Não lhe parece? A repetição de rotinas de arrumação e a sensação de “voltar a fazer tudo outra vez” é tanta que até o próprio Sísifo foge a sete pés, volta para o seu suplício e abre os braços para apanhar com o pedregulho nas trombas de bom grado. Às vezes é ridiculamente surreal: viramos costas e de repente a nossa casa está de novo virada do avesso como se fosse habitada por poltergeists. continuar a ler

Cozinha para Crianças, nutrição

[nutrição] Menu Saudável e Divertido #20

Bom dia!

Hoje trago-vos uma sugestão de lanche para os mais pequenos. Umas bolachas deliciosas de aveia sem açúcar adicionado e um puré de morangos, maçã e banana bem cremoso e docinho. Não encha o seu filho de produtos processados carregados de açúcar e gorduras. Experimente fazer as suas próprias bolachas e sumos/purés de fruta em casa seguindo estas sugestões de receitas que lhe dou. Vai ver que o sabor não fica aquém das opções que existem no mercado, e para além disso garante que dá ao seu filho apenas alimentos de verdade! continuar a ler

Cozinha para Crianças, nutrição

[nutrição] Menu saudável e divertido #16

Bom dia! O menu de hoje é inspirado no verde da natureza. Já pensou em incluir vegetais no pequeno-almoço ou lanche dos pequenos? Uma ótima forma de o fazer é experimentando esta receita de panquecas de espinafres (o sabor do espinafre não se sente). E para completar esta refeição, sugiro um puré de manga, banana e pêra, delicioso e bem…continuar a ler
Bloga8, Bloga8 recomenda

|mimobox – a caixinha que nunca desilude| [com video]

Quando vi pela primeira vez a Mimobox pensei “porque não me avisaram que isto existia quando ainda estava grávida?” – assumindo que a caixinha só era comercializada para grávidas e para bebés pequeninos.

Quando, ao abrir o site Mimo, descobri que as Mimobox eram feitas a pensar nos miúdos até aos três anos, pensei – tenho de ter uma!  continuar a ler

Bloga8, Crianças, psicologia

[psicologia] “Até que desapareceste.”

No último texto, escreveu-se sobre resiliência e em como a nossa história não determina o nosso destino. Mas, ainda assim, a nossa história marca o nosso futuro de alguma maneira.

Quando questiono sobre marcos do passado, é comum evocarem-me uma perda de algo ou alguém de referência. A morte, parece ser, ainda, um assunto difícil de se falar e lidar. Mas não tem de ser… proponho que sigam o raciocínio seguinte.

Faz parte da capacidade de resiliência de alguém, ser capaz de “processar” um determinado acontecimento e lidar com ele da melhor forma possível. Porquê? Veja-se desta perspectiva: ainda há vida pela frente. Se sobreviveu, dê novo sentido à sua vida.

Quem sobreviveu (ou sobrevive), de uma forma ou de outra, tem uma nova esperança, uma nova oportunidade de gerirmos da melhor forma o que nos foi dado. Por “dado”, pode mesmo ser uma ferida, uma supressão, uma emoção intensa. Mesmo que a dor de uma perda permaneça, ela existe por um motivo.

Porquê?! continuar a ler

Bloga8, psicologia

[psicologia] Horários e rotinas: uma ajudinha por favor!

O ano lectivo ainda agora começou e nós pais, já estamos de cabelos em pé.

É que mesmo sabendo da importância das rotinas e tendo em consideração as sugestões para preparar os miúdos para o início das aulas, os filhotes teimam em desafiar o relógio, a paciência dos pais e a insonorização das paredes (e até a “cusquice” de alguns vizinhos que não resistem a vir escutar à porta). continuar a ler

Bloga8, psicologia

[psicologia] Palavra Cantada

Está mais que provado que a música ajuda no desenvolvimento cerebral. Oliver Wolf Sacks (neurologista e escritor), escreveu que “a actividade musical envolve várias funções do cérebro (emocional, motora e cognitiva), muito mais do que as que usamos para o outro grande feito humano, a linguagem. Por isso, é que a música é uma forma tão eficaz de nos lembrarmos e de aprender.

Durante a gravidez e depois do parto, procurei sempre rodear os meus filhos de músicas calmas e relaxantes, umas mais clássicas, outras mais melodiosas. Tocar um CD de música clássica calma, durante alguns minutos, bem baixinho, é uma forma de acalmar as crianças até adormecerem. Dica: A Fisher-Price tem alguns álbuns para bebés e crianças bastante interessantes (e eu tenho um leitor de cd que é uma relíquia, que se desliga sozinho após um período estipulado, é só colocar o temporizador!)

continuar a ler

Bloga8, psicologia

[psicologia] Brigas e rivalidade entre irmãos

Se é um facto que um filho único não tem irmãos para brigar, já dois são ingrediente suficiente para fazer uma briga. A rivalidade surge quando um pretende superar o exemplo do outro.

Geralmente, a rivalidade consciente não é habitual nos primeiros anos de vida, ainda que seja uma atitude passível de ser aprendido e incentivado pelos adultos de referência. Já as brigas surgem desde cedo.

As brigas entre irmãos (ou qualquer outro grau de parentesco ou relacionamento) deve-se, geralmente, à tentativa de ambas as partes fazer prevalecer a sua vontade. Outras vezes, as brigas podem ser despoletadas por ciúmes ou necessidade de chamar à atenção, nem sempre da forma mais adequada, mas, definitivamente, a mais célere no resultado: quando os nossos filhos gritam ou se pegam, não largamos tudo para saber o que se passa? Geralmente. continuar a ler