amor

Bloga8, Crianças, Irmãos

|irmãos: os deles e o meu|

Esta é a primeira fotografia deles juntos. Não acredito que já se passaram quase três anos e que quer um, quer outro tenham mudado tanto: já nenhum usa fraldas, nenhum mama, nenhum chora para comer e já nem sequer acordam de noite.

Hoje sorriem mais, tagarelam um com o outro e até já dão passes na bola. Chateiam-se, puxam cabelos, dizem um ao outro “gosto muito de ti” e “eu sou teu amigo”, mas também, chegam a insultar-se de “mau” e “parvo”.

continuar a ler

Bloga8, Crianças, psicologia

[psicologia] “Até que desapareceste.”

No último texto, escreveu-se sobre resiliência e em como a nossa história não determina o nosso destino. Mas, ainda assim, a nossa história marca o nosso futuro de alguma maneira.

Quando questiono sobre marcos do passado, é comum evocarem-me uma perda de algo ou alguém de referência. A morte, parece ser, ainda, um assunto difícil de se falar e lidar. Mas não tem de ser… proponho que sigam o raciocínio seguinte.

Faz parte da capacidade de resiliência de alguém, ser capaz de “processar” um determinado acontecimento e lidar com ele da melhor forma possível. Porquê? Veja-se desta perspectiva: ainda há vida pela frente. Se sobreviveu, dê novo sentido à sua vida.

Quem sobreviveu (ou sobrevive), de uma forma ou de outra, tem uma nova esperança, uma nova oportunidade de gerirmos da melhor forma o que nos foi dado. Por “dado”, pode mesmo ser uma ferida, uma supressão, uma emoção intensa. Mesmo que a dor de uma perda permaneça, ela existe por um motivo.

Porquê?! continuar a ler

Bloga8, Crianças, Irmãos, Opinião|Bea

|o poder dos sobrinhos|

Antes de ser mãe tive a felicidade de ser tia e agradeço muito aos meus cunhados por me terem proporcionado tal. Ser tio é muito gratificante e dá a liberdade que, como mãe ou pai não podemos ter. Lembro-me perfeitamente de querer "esmagar" a cara dele com beijinhos e até lhe chamava fófinho. Era palhaça, rainha de brincadeiras e era…continuar a ler