Cartas e poemas a Nuno Salta

Cartas ao meu filho Nuno:

“Nada mudará o teu mundo…..o teu mundo de espírito através do universo de luz…faz hoje 1 mês que deixaste o mundo material…Meu Amor eterno e ilimitado que brilhas agora ao meu redor como um milhão de estrelas…quantas saudades…quantas saudades…de te tocar, abraçar, de ver a tua luzinha acesa, de te aconselhar cuidados, de sentir que eras feliz na tua profissão, no seio dos teus colegas e amigos/as…quantas saudades de ouvir-te falar das tuas “mazelas” após cada jogo de futebol…quantas saudades dos teus sábios conselhos…quantas saudades de te dar aquele beijo de boa noite…nada mudará o teu mundo meu filho querido…o meu mudou até que um dia nos encontremos de novo. AMO-TE FILHO!”

“Agradeço a Deus por me proporcionar ter dois filhos que se desenvolveram em seres humanos solidários, simples, educados, estudiosos e que receberam e dão muito amor.

Agradeço a Deus por ter tido o privilégio de seres o meu filho…sim porque és e serás sempre o meu filho.

Foram quase 28 anos anos com a tua companhia…..as noites mal dormidas, as doenças próprias da idade, a dentição, a preocupação constante com o teu bem-estar (como também o da tua irmã), a angústia desde que foste para a faculdade….das idas e vindas…por tudo isso passei cheia de amor por ti.

Ai a estrada, a estrada….a estrada que te levou ao encontro de Deus.

Ele quis-te ao seu lado….eu sou a tua mãe terrena…gerei-te para a tua alma nascer, florescer, plantar sementes de amizade e bondade.”

“8 meses se passaram….como sinto a tua falta meu filho. 8 meses …8 anos…18 anos…..o tempo vai passar mas a dor que sinto pela tua ausência nunca passará.

Tenho a minha memória, as fotos, os teus objectos, a tua sala de trabalho, os teus gostos e este vídeo do projecto em que trabalhaste….aqui neste vídeo ouço-te e vejo-te. Estou a recordar os momentos antes da apresentação…a tua preocupação….e depois a alegria do projecto ser um sucesso ….e lá ficavas à noite na tua sala a ver se não falhava nada nos autocarros.

Como te amo meu filho. Como sentimos a tua falta.”

“Nove meses …tempo da gravidez. Nove meses sem ver a tua face serena, sem ouvir as tuas palavras tão sensatas, sem te poder abraçar e te acarinhar. Nove meses e ainda penso que ouço a garagem a abrir… antes de deitar lá íamos à cozinha para a ceia: tu comias um dos teus yogurtes preferidos e eu bebia um chá acompanhado de bolacha torrada…ainda te ouço: ó mãe não sei como consegues beber isso (tu e a tua adorada irmã Ana Rita detestam chá), ainda vou pelo teu quarto para te desejar boa noite e imagino-me tropeçar nos teus chinelos que ficavam largados à porta…e dizia:

ó Nuno um dia ainda caio por causa dos chinelos…tu sorrias. Nove meses que fui dar-te o último beijo,… queria dar-te  um beijo que te trouxesse de novo à vida…um beijo que eu queria que fosse de troca…da minha vida pela tua. Como queria que vivesses meu filho.

Amo-te.”

“Meu querido filho,

Dizem que o tempo cura tudo…..mentira…..há 21 meses que a ferida da tua ausência física não está a cicatrizar….nunca irá cicatrizar enquanto eu viver. O tempo vai aprofundando-a e a dor que provoca tem sido “amaciada” pela tua irmã, pelos teus tios …..até há 1 mês pela tua avó que foi para junto de ti….pelos nossos amigos(as), pelo meu trabalho.

Sabes que sigo os teus sábios conselhos….e tantos que me deste, tanto que me ensinaste…..tanto que aprendi contigo.

Poderás estar preocupado com a minha tristeza….mas sabes que vos adoro meus filhos…..sabes do meu excesso de zelo e da angustia que sentia quando saías de casa……esta minha tristeza só desaparecerá um dia…não sei quando, mas que está marcado.

Escrevo-te para que as palavras saídas da ferida voem até onde estás e te

beijem……beijinho de mãe cheia de saudades. Amo-te meu filho!”

“Meu querido filho,

Como o tempo passa! Na minha memória estás quando nasceste, a tua 1ª ida à praia, o teu baptizado, os teus dentes que teimavam em não sair, as tuas parcas, mas essenciais, palavras, a tua ida para a creche, para a escola, a queda que deste no dia do teu aniversário (5º aniversário) e que acabamos a festa no antigo Hospital de Vizela para seres suturado, o teu interesse pela leitura de enciclopédias, a tua destreza com os comandos, aparelhos e computador, a tua adolescência, a entrada na faculdade e o início da minha inexplicável angústia.

O fim do Curso e as palavras que escrevi na tua fita:

Botões, teclas e comandos

foram sempre sua paixão

nasceu para os computadores

com o chip telecomunicação.

Para engenheiro estudou,

5 anos passaram velozmente

o meu menino se formou

na FEUP, brilhantemente.

Com muito orgulho e AMOR – Mãe

2007-05-06

Foto 11

Depois veio o Mestrado e Doutoramento, sempre com aquela inexplicável angústia.

Quase 28 anos da tua vida que me encheste de alegrias, de amor, de orgulho, de preocupação (quem é mãe sabe do que falo)…..23 meses da minha vida sem ti….cheia, a transbordar saudade! AMO-TE meu FILHO!”

“Meu querido filho,

Como sabes hoje acabou o campeonato 2014-15 e o nosso GLORIOSO SLBENFICA é CAMPEÃO.

Hoje seria um dia muito feliz para ti e para a tua querida avó Bia, minha mãe. Hoje o teu telefonema para a avó seria longo, cheio de alegria e de “vivas” ao SLBenfica.

Tu e ela viviam os jogos com muita paixão. Mas tu mais que ninguém. Sei que, no teu pouco efusivo festejo, estarias a gritar em silêncio o teu imenso amor ao Benfica.

Sei o quanto sofrias com as suas derrotas e sofrias num silêncio que eu conseguia ouvir.

Hoje estarias nos fóruns Benfiquistas a festejar o Bi-campeonato.

Hoje a chama imensa do SLBenfica está comigo mas sempre contigo no meu coração.

A alegria está misturada com a tristeza de não te ver festejar com a tua avó. Tanta saudade!

Adoro-vos meu filho e minha mãe!”

Foto 12

“Meu querido filho,

Faz hoje 30 anos que nasceste.

Sabes que me fizeste esperar mais 2 semanas para além das 40 semanas de

gravidez. Uma gravidez com um pequeno percalço no inicio, mas como tinhas que nascer e viver para alegrar as nossas vidas, esse mesmo percalço foi ultrapassado.

Depois disso a gravidez foi tranquila. Tive desejo de grávida: sandes de

presunto:….como nos rimos quando contava isso….até acordada sonhava com as sandes de presunto.

Já no fim da gravidez e porque teimavas em não sair, a tua tia telefonava-me e perguntava: então quando é que o carequinha nasce? E é que nasceste com muito pouco cabelo!

Foto 13

No dia 26 de Junho dado que ainda não havia sinais de contracções fui internada, mas passei a noite em casa. No dia 27 logo de manhãzinha fui para o Hospital Santa Maria e a minha colega lá provocou o parto….um parto um pouco complicado ….  felizmente acabaste por nascer sem sequelas mas com uma compliçãozinha…..fizeste uma pneumonia por aspiração de secreções.

Lembras-te que foste para o Serviço de Pediatria de Alto Risco? Lembras-te quando fui para te amamentar? Já tinhas mamado um biberon e o meu leite não saiu em jorro…aí é que foram elas…..berraste zangado e fizeste e tua 1ª birrita. A Srª Enfermeira bem tentou convencer-te, enganar-te…mas não pegou! Era o biberon que querias e lá teve de ser.

Lembras-te que eras o bebé mais sossegado da maternidade? Quase nem choravas, dormias bem…..quando fomos para casa da Avó Bia…tanto colinho e de todos! Nessa noite já dormiste ao colinho e na outra seguinte, e mais outras se seguiram….colinho e música….uma gaivota voava, voava / asas de vento, coração de mar / como ela somos livres, somos livres de voar….perdi a conta das vezes que cantei para ti! Faz

hoje 30 anos que nasceste para ser meu filho! Para dares amor e alegrias a todos nós que te amamos…a tua irmã Sano Ogawa, teus tios e teus avós. Faz hoje 30 anos que tive o privilégio de te ter como filho. Parabéns Meu Amor!”

“Meu querido filho,

Já se passaram 31 meses desde o dia que partiste para sempre. Tempo longo para mim e para todos os que sentem saudades tuas.

A vida leva-me por uma estrada onde, mesmo seguindo em frente pela tua irmã e por todos que fazem parte do meu destino, olho constantemente para trás. E nesses momentos estou contigo, meu menino.

Olhando para trás vi o dia 9 de Janeiro de 2009 quando Vizela se cobriu de um manto branco.

Neste dia que te fui chamar ao quarto para veres a neve cair….”branca e leve, branca e fria”….como diz o poema de Augusto Gil.

Vieste para o jardim com a máquina para registares o momento de tanta beleza. A neve caía e tu deliciado querias o tempo parado para o poderes desfrutar. Encheste a máquina fotográfica de brancura e de alegria.

E também ficaste aqui nesta imagem, parado no tempo, feliz com os flocos de neve que brandamente te tocavam.

Foto 14

“E uma infinita tristeza,

uma funda turbação

entra em mim, fica em mim presa.

Cai neve na Natureza

– e cai no meu coração.”

A tua partida, como neve fria que caiu no meu coração, fez entrar a profunda tristeza que em mim ficou presa até ao fim da estrada da minha vida. Tantas saudades filho, tantas.

Amo-te!”

“Meu querido Filho,

Lembras-te desta notícia? Foi a viagem inaugural do projecto STMe no qual colaboraste enquanto fazias o doutoramento no INESC-Porto. Como estiveste empenhado neste projecto. À noite ficavas a ver no teu computador o recolher dos autocarros com internet da linha 207 da STCP para nada falhar na viagem inaugural.

Foto 15

Como estavas orgulhoso do vosso trabalho.

3 anos!

Sabes que tudo mudou desde há 3 anos.

E a mudança não foi só para mim, foi para todos os que te amam.

Não sei como tenho resistido, não sei onde vou arranjar força para continuar a fazer o caminho da minha vida desde que partiste para sempre. Só no “sempre” te vou reencontrar.

Tudo mudou e está em mudança.

A vida não é estática, pelo menos para mim não o tem sido!

O meu trilho tem sofrido desvios, quase sempre com mudanças radicais.

Há 3 anos a vida descarrilou, saiu completamente do seu trilho…desfez a tua e a minha existência. Desfez os nossos sonhos e realizações!

Tenho caminhado com o amor da tua irmã, dos teus tios e dos amigos.

Mas as forças começaram a diminuir.

Quem diz que o tempo vai apagando a dor não sabe, não pode saber…. porque o meu amor por ti nunca se apagará e com ele permanecerá esta dor incalculável!

O meu caminho sofrerá mudanças para que a força de o fazer não se acabe, por mim e pela minha adorada filha e tua irmã.

O tempo ditará quando as mudanças serão feitas. Já não faço planos….só alinhavo o caminho.

Um dia esse caminho terá um fim que será o recomeço da minha nova vida junto a ti e, aí sim, para sempre.

Amo-te meu filho!”

“Meu querido filho,

Hoje olhando tuas fotografias sinto os quase 28 anos que passamos juntos.

Vejo-te recém-nascido fazendo a birra porque preferias o biberon.

Nesta estás deitado no relvado em frente à Torre de Belém com a bola de futebol nas mãos.

Foto 16

Olha esta de chapéu e sorridente numas férias de Páscoa com os teus avós no Algarve. Ainda não tinhas dois anos. Ai a chupeta adorada!

Esta foi tirada na Penha e sentados num penedo e tu preocupado estás a segurar a tua irmã.

Foto 17

Lembras-te desta? Parecem os Mosqueteiros___ lá estás tu com os teus amigos do colégio, que felicidade estampada nos vossos rostos.

Esta é do livro de fim de ano da Didáxis. Foi lá que conheceste o teu Grande Amigo e agora meu filho adoptado André Alves. Ainda hoje ele se preocupa comigo e com a tua irmã.

Ó meu filho nesta aqui estás trajado quando entraste para a FEUP. Mas depois da foto nunca mais pegaste no traje. Como te conhecia sabia bem que o vestiste contrariado.

É Natal, é Natal e esta é a fotografia da praxe na noite de Natal na casa dos teus avós____ os primos: tu e a tua irmã, as tuas primas Gabriela e Joana. (Foto 18)

Esta, meu filho, foi o teu colega Saravanan do INESC que a partilhou: estás de pé com a pasta do pc na mão junto com quatro dos teus colegas.

Encontrei uma no jantar de aniversário do André Alves. Muito gostavas de Coca-Cola.

Esta é uma das últimas____ o dia em que nasceu a tua priminha e minha sobrinha-neta Carolina. Dia 30 de Abril de 2012. No dia seguinte, estamos todos a celebrar num almoço o dia do meu aniversário.

A última é a tua equipa de futebol do INESC a UTM Team. Eras guarda-redes. Foi a caminho do último jogo que partiste para sempre. Já não voltaste para casa, nem chegaste ao Porto.

Desde esse dia, há 39 meses, que vivo com esta dor que aumenta com as saudades.

Fico olhando a fotografias com a esperança de, um dia, te abraçar! Amo-te!”

“Meu querido filho,

Escrevo-te hoje. Ainda faltam 4 dias para o Natal.

Sei que não estás aqui neste plano onde vivo. Sei que estás num lugar melhor. E aí não existe tempo, nem datas, nem comemorações. Aí só existe a plenitude espiritual.

Mesmo assim o teu espirito estará sempre ligado ao meu, ou melhor aos nossos. É o terceiro Natal que não te teremos fisicamente e é o primeiro que não teremos a tua querida Avó Bia e minha mãe.

Apesar de não valorizares o Natal como data, sei que valorizavas o Natal como a oportunidade de estarmos todos juntos: nós, os avós, os tios e tias e as tuas primas.

Sei como gostavas das piadas do teu avô Gabriel e mais tarde, depois de ele partir, das piadas e histórias do tio Tozé, da tia Carocha e das minhas.

Tu, quase sempre calado, sorrias e sentias-te feliz!

Nunca o nosso Natal foi luxuoso. Nem sequer a própria refeição. A tua Avó Bia cozinhava bem______tudo que ela fazia, mesmo simples, era delicioso______e como tu adoravas os seus cozinhados.

Hoje quis escrever-te pois ainda faltam 4 dias para o dia que irei sentir ainda mais saudades tuas_________ irei sentir ainda mais a tua ausência e a da tua avó.

Feliz Natal meu filho e Feliz Natal para os teus avós!

Beijo grande e carregado de saudades daqui para aí! Amo-te.”

Foto 21

Poemas ao meu filho

“Silenciosamente

os meus gritos voam.

Ruidosamente

as saudades estrangulam-me.

O meu tempo corre

atrás do teu tempo. – MRS

    *************

“Dias seguintes

seguindo o tempo.

Tempo é a vida que passa…

células a nascer, crescer e morrer

e nelas as emoções de quem vive.

A vida e o tempo emaranham as células

complicam-nas e transformam-nas.

Dias seguintes

seguindo o tempo.

A vida retirou-me uma das células que gerei,

o tempo trepassa as minhas emoções

dia após dia

com lanças de dor

com flores de amor

com gritos de saudade

com armas para lutar…

dias após o dia

que sigo teus passos,

os meus passos que darei

para viver para a outra célula que gerei.

Dias seguintes

seguindo o tempo,

que vos amo meus filhos. “ – MRS

     **************

“As cores matezidas da flor

são a vida que dela transborda,

as gotas da chuva que a salpicam

não são lágrimas,

são fonte onde bebem a pétalas.

Minh’alma é uma flor

já quase sem pétalas,

já quase sem cor,

bebe das lágrimas

que meus olhos não brotam

mas que calados choram.” – MRS

         ***************

“Encho o vazio do tempo

com o teu sorriso

que me chega sorrateiro,

saindo da fotografia

que um instante retratou .

Amo-te meu filho!” – MRS

*********************

“Hoje é sábado e dia 16……..

Hoje é sábado….e dia 16.

O sábado nunca mais foi sábado

desde aquele sábado dia 16 de Junho…

…..dois anos se passaram.

O sábado que, quando saía para trabalhar,

ia ao teu quarto dar-te o beijo da manhã

e dizia: até logo filho…dorme, descansa…

….e no inverno aconchegava-te o edredon.

Tu, sonolento, feliz pelo aconchego e pelo beijo

dizias…até logo e voltavas a adormecer.

De seguida, quando a tua irmã estava cá,

ia ao seu quarto e dava-lhe o beijo da manhã e

aconchegava-lhe o edredon…e dizia até logo filha.

Ela, com sono mais profundo, não acordava…

mas sentia o aconchego.

Hoje é sábado, mas nunca como aqueles sábados,

e vou só ao quarto da tua irmã.

Hoje é sábado e desde aquele sábado,

quando acordo de manhã olho para ti…

….o teu olhar diz-me: bom dia mãe….

e o teu beijo chega através do teu sorriso,

que sai das tuas fotografias que um instante eternizou.

Hoje é sábado dia 16, mais um dia que vivo,

menos um dia que falta para te voltar a abraçar.

Amo-te filho…..quanta saudade!”  – MRS

*********************

 “Meu querido filho,

O tempo que o tempo me deu

o tempo que o tempo me tirou

o tempo que passou num tempo

de felicidade, amor, ternura

Ah aquele infeliz tempo

tempo que já te tinha levado

para outro tempo onde não existe tempo

tempo que até ti me levou

num tempo de dor, tanta dor, imensa dor

que nem o tempo conseguirá apagar.

Ficou o tempo de dor e saudade

no tempo da vida que me resta.

Mais um mês no tempo sem ti,

menos um mês para o tempo de reencontro!

Amo-te meu filho!” – MRS

************************

“Meu querido filho,

 Alguém me disse:

essa dor vai atenuar…

 no tempo esbater.

 Foi tão estranho o falar,

 alheia a um filho perder…

 como pode ela saber?

 O tempo tem passado

 e com ele percorre a dor

 nos dias em que sobrevivo

 desde que partiste meu amor.

 O tempo vai encurtar

 o tempo de te voltar a abraçar.

 Mais um mês de infelicidade

 Com esta dolorosa saudade!

Amo-te!”- MRS

***************

“Meu querido filho,

 Amor que iniciou no ventre

 sentindo a tua presença

 nos enjoos,

 nos teus movimentos,

 no bater do teu coração,

 na magnitude do útero,

 concha que te acolheu

 até o dia que nasceste.

 Quarenta e duas semanas dentro de mim…

 não tinhas pressa

 a tua calma….essa tua calma.

 Viveste sem pressa

 saboreaste cada momento,

 como se o conseguisses parar no tempo.

 Chegavas às metas sem atropelos,

 nunca te preocupaste em agradar ninguém

 o teu esforço e trabalho falavam por ti…

 e agradaste a tantos.

 Todos os que te conhecem

sabem que trilhavas o caminho da rectidão…

 sem menosprezar e injustiçar ninguém.

 E sempre com calma….sem pressa.

 40 meses se passaram desde que partiste!

 O meu ventre de mãe mirrou!

Mirrou de tantas saudades tuas

 meu querido filho.

 Metade de mim está contigo!

 A outra metade vai vivendo

 momento a momento

 rascunhando a vida!

 Adoro-te meu Amor!” – MRS

**************************

“Meu querido filho,

Mais um mês se passou

num tempo em a vida me mutilou.

Tanto tempo….tanto tempo…

sem te ir acordar

dizendo: Nuno são horas…

e tu vagarosamente os olhos abrias.

Vagarosamente te levantavas….

e tornavas-te a deitar.

Tanto tempo sem te abraçar

e te dar o beijo da manhã,

ficando angustiada quando saías.

Tanto tempo sem te ouvir chegar…

quando abrias o portão

relaxavas meu coração.

Tanto tempo sem ti às refeições

como gostavas de tudo

era fácil te agradar.

Tanto tempo sem te ouvir…

as tuas conversas curtas,

inteligentes e com bom senso.

Tanto tempo e a dor aumenta…

tanto tempo e tanta saudade.

Hoje estou com a tua irmã…

vim passar o fim de semana.

Aqui estamos na casa que ajudaste a escolher

sem ti….

mutiladas!

Adoro-te meu querido filho!” – MRS

**********************