[livro da semana] Genialmente

Os meus filhos têm um grave problema (que não era um problema se só o fizessem duas ou três vezes por dia) – que é questionar tudo e todos. E porquê? Mas porque hoje vamos comer peixe? Porquê que eu tenho umas sapatinhas brancas se o Miguel tem umas cinzentas? Porquê que o elefante tem tromba, mamã?

Eu sei que eu tenho ar de nerd e sobretudo sei que eles julgam que eu sei tudo. Normalmente sei responder às questões mais básicas deles, mas ultimamente, sobretudo o mais velho, tem umas perguntas mais complicadas como:

– Depois do céu que há mamã?

– É o Universo: os planetas, as estrelas, os cometas, os asteróides.

– E depois do Universo? (puff, já fui.)

– Não sei Pedrinho. Nunca lá fui.

– E já foste ao Universo? (Não) Então como sabes que depois do céu há Universo?

Bem, acho que já estão a ver o meu drama constante de vida. Já não me bastava a minha profissão que me obriga a investigar e a processar carradas de informação, também tenho que levar com um pirralho de (quase!!!!) 5 anos a perguntar-me constantemente as coisas mais descabidas do Universo (ou fora dele, nem sei). Para ajudar à festa, o puto de dois anos que coabita com ele, também não ajuda e para além de dizer “tu ’tás a mintir… o leão menina também tem ‘uba”, também já tem umas perguntinhas jeitosas como “mãe, poqué o pai mora nesta casa se ele é chato?”. Pois, há dias que nem eu percebo como não me faço esta pergunta regularmente.

Claro que isto é tudo misturado com “Miguel, tu não sabes nada!” ou “Pedu, tu ‘tas a mintir” (sim, ele aprendeu esta e agora não se cala). Para resolver esta pequena ansiedade de perguntar e questionar o mundo, decidi fazer um jogo de manhã (porque é a parte do dia que mais me custa – levantar com um olho meio fechado, preparar o pequeno-almoço e queimar-me pelo caminho, tentar vestir as camisolas engomadas que não resistem muito tempo impecáveis porque eles teimam em fazer luta de camisolas como se um jogo de hóquei se tratasse).

Comecei a fazer-lhes perguntas – de que cor é o leão? – quem quiser responder terá de vestir as cuecas. E os dois queriam responder e consequentemente vestir as cuecas. É uma tarefa hercúlea arranjar esquemas para evitar berros. Mas rapidamente o meu cansaço cerebral me levou à falta de recursos para as perguntas. Até que numa dessas manhãs me apareceu a salvação, com aquela luz do Além e aquele barulhinho estridente do AHHH!

Foi assim que encontrei estes livros de perguntas. Ótimos para entreter os miúdos e ao mesmo tempo, estimulá-los para o que queremos que eles façam – estar quietos, corresponder a tarefas, etc etc.

São da Editora Booksmile e têm várias faixas etárias na mesma coleção com perguntas até aos 12 anos!

Cá em casa temos os livros do Pré-Escolar, mas podem encontrar para o Ensino Primário e para o 2º Ciclo (com edições especiais para as provas de aferição).

(para mais informação, cliquem na imagem correspondente, por favor)

Artigo por Bea

Mulher, mãe de dois rapazes, apaixonada por flamingos e completamente chocoholic. Adora ler, dançar, comer e experimentar coisas novas.

Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.