[um livro à quarta] O Filho Preferido

Quando sabemos que vamos ser pais tudo fica baralhado e confuso. Aqueles dois tracinhos numa palheta branca normalmente ficam gigantes e inconscientemente afetam o nosso dia-a-dia enquanto grávidas – como a mão na barriga, o não beber álcool, a tentativa de potenciar o silêncio e a calma. Pelo menos, quando me disseram que estava grávida começou aí toda a minha aventura de descoberta interior. Eu fui até uma grávida suportável pois passava oitenta por cento do tempo sozinha, mas acredito que a maior parte das mulheres se sinta ainda mais confusa na gravidez com tanta opinião, má língua ou até pessoas que querem ajudar mas não sabem que só estão a atrapalhar.

Normalmente, as grávidas frequentam cursos pré-parto com os cuidados ao recém nascido, com preparação para o parto e outras coisas relacionadas com o aspeto prático e teórico das “coisas”. Eu também os frequentei e na altura achava (e ainda acho!) que são bastante úteis para o dia-a-dia para o bebé. Mas o que estes cursos não ensinam é a sermos verdadeiramente pais.

A parentalidade, a meu ver, não se resume a trocar fraldas ou a fazer a pega correta na mama. A parentalidade, até em bebés, tem de ser consciente, ativa e igual entre progenitores. Claro que se o pai não pode dar de mamar, por razões óbvias, pode dar colo ou brincar com o bebé.

Por esse motivo, trago hoje este livro, para encerrar o livro à quarta de 2016 da melhor forma: para mim este é a bíblia dos case study em relação à parentalidade consciente. “O Filho Preferido” chegou às minhas mãos este ano e é já um dos meus essenciais para quem tem filhos, ou aspira a ter, e sobretudo, para quem tem uma situação que requer mais empenho parental: como famílias monoparentais, pais separados ou chegada dos segundos e terceiros filhos.

Este livro tem imensas temáticas como os sonhos e expectativas parentais, o filho único, a diferença entre o filho mais velho, o do meio e o mais novo, como lidar com o filho adotado ou com o filho “diferente”, a perda de um filho ou até violência entre irmãos.

Foi escrito por duas psicólogas – Fátima Almeida e Laura Alho e editado pela Pactor.

Preço: 13,50 € na LIDEL

O Filho Preferido

 

Artigo por Bea

Mulher, mãe de dois rapazes, apaixonada por flamingos e completamente chocoholic. Adora ler, dançar, comer e experimentar coisas novas.

Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.