[farmácia] Febre na criança: como e quando tratar

A febre é frequentemente um motivo de desconforto para as crianças e uma grande dor de cabeça para os pais. Mas nem sempre tem que ser assim! Antes de mais, é preciso compreender que a febre se trata de um mecanismo de defesa do corpo humano que lhe permite combater os microorganismos e outros corpos estranhos pelos quais este se sente invadido. Além disso, a grande maioria dos estados febris não chega a atingir temperaturas muito elevadas, e por isso não constitui qualquer problema para a saúde da criança.

De qualquer das formas, há situações em que a febre se pode tornar perigosa ou particularmente incómoda para a criança, e nesses casos pode ser necessário controlá-la usando antipiréticos.

850640_LB_00_FB.EPS_1000Febre vs Estados febris

Uma criança tem efetivamente febre quando a sua temperatura é igual ou superior a:

• 38 ºC, medidos no ânus
• 37,5 ºC, medidos na boca
• 37,2 ºC, medidos na axila

Quando medicar?

iStock-COUGH-SYRUP

Antes de mais, deve utilizar os medicamentos que o médico indicar para estas situações, respeitando escrupulosamente a posologia indicada. De uma forma geral, pode usar estes medicamentos sem aconselhamento de um médico nas seguintes situações:

  • Quando a criança mostra sinais claros de desconforto;
  • Quando a febre é igual ou superior a:
    • 38,9ºC, medidos no ânus
    • 38.5ºC, medidos na axila
  • No caso de ter uma doença grave que afeta o coração, pulmões, brônquios ou do sistema nervoso deve ser tratada logo a partir dos valores considerados alterados:
    • 38ºC, medidos no ânus
    • 37,5ºC, medidos na axila

Depois de a criança estar medicada, não é obrigatório a temperatura volte para os valores normais. Por isso se alguns dos pontos acima deixar de se verificar, não é necessário voltar a medicar a criança.

O que fazer para além de medicar?

4ce9416538972e563d24fc6d1628b3deApós a toma destes medicamentos, há outras medidas que pode e deve praticar quando a criança tem febre elevada, e que auxiliarão a diminuir a temperatura corporal, ou a assegurar o equilíbrio fisiológico:

  • Dar um banho com água tépida, entre 25/30ºC, aproximadamente 30 min após a toma do antipirético
  • Assegurar a ingestão de água ou outros líquidos em abundância, para repor as perdas que ocorrem por transpiração e podem levar à desidratação
  • Evitar sobreaquecer a criança com roupa muito quente, que só a fará transpirar mais e não permitirá que o corpo arrefeça

Quando consultar o médico?

doctor-symbol_318-11857Por outro lado, em alguns casos a toma de antipiréticos pode contribuir para mascarar situações realmente graves, e que devem ser referenciadas ao médico. Assim, é mais indicado consultá-lo nas seguintes situações:

  • Crianças até 2 anos de idade;
  • Gravidez;
  • Temperaturas superiores a 39ºC;
  • Febre há mais de 3 dias;
  • Febre contínua, ondulante ou recorrente;
  • Doentes imunodeprimidos (em quimioterapia, seripositivos, toma de corticosteróides orais ou outros imunossupressores, etc.)
  • Associada a sinais/queixas que sugiram doença que requer avaliação clínica, como:
    • vómitos e diarreia;
    • dor de garganta ou ouvidos;
    • dificuldade respiratória;
    • dor e dificuldade a urinar;
    • confusão mental;
    • rigidez da nuca;
    • desidratação e convulsão;
    • Ineficácia dos antipiréticos não sujeitos a receita médica, quando usados na dose correta;
  • História de reações adversas aos antipiréticos não sujeitos a receita médica
Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.