[testemunho] Era uma vez…a família Almeida Belo

_O0A8622

Leonor | Helena | Bita

Olá!

É com muita honra que escrevo este artigo sobre a minha familia,

A familia Almeida Belo.

 Somos 5.

O meu marido José Filipe de 53 anos, eu (Helena ou Bita como me chamam) de 45 anos, o João com 20, a Helena que faz 16 para a semana, e a Leonor com 11 anos.

Somos de Lisboa e vivemos em Matosinhos.

Nasci e vivi toda a minha vida em Lisboa.

Estudei até ao 12º ano em Portugal e nessa altura tive a oportunidade de ir fazer o curso em Itália. Há anos que tinha uma curiosidade enorme por este pais.

Acabada de fazer 18 anos lá fui eu para Milão 3 anos. Sem saber a lingua e sem conhecer ninguém…aliás, conhecia um rapaz de nome Massimo que tinha estado comigo num colégio de verão em Inglaterra durante 1 semana com 14 anos. A familia dele acabou por ser a minha 2ª familia em Milão.

Fui fazer o curso de Mk e Pub no IED (Instituto Europeu di Design).

No último ano, nas férias em Portugal, conheci o José Filipe. Ele estava a ganhar uns trocos a animar o aldeamento de férias onde eu passava férias desde pequena…e animou-me!

Começámos namoro.

 Ele era muito extrovertido, divertido, excelente pessoa e rapidamente decidimos que tinhamos encontrado a “alma gemea”. É mais velho 7 anos.

Voltei para Portugal e como em Itália o curso era Bacharelato, decidi inscrever-me no IADE em Lisboa e fazer a licenciatura.

 Casámos em 93, estava eu no 3º ano do IADE e tive o meu 1º filho  (João), 15 dias depois de acabar a licenciatura, em 95.

11855760_10200729244708943_8560566214220155242_n

João | Zeca

 

O João era um bébé encantador, bonito e encheu ainda mais a nossa vida de alegria.

As nossas familias já se conheciam, pois ainda somos primos. Para grande coincidência a nossa trisavó é a mesma e as nossas bisavós são irmãs gemeas. Estavamos em casa!

Comecei a trabalhar como criativa em agências de pub e adorava. O Zeca (como lhe chamo) é Engenheiro Civil.

Os nossos trabalhos é que sempre foram complicados…nas agências não há horários….fazia muitas noitadas, e ele como engenheiro civil tinha de ir para onde haviam obras. Muitas vezes ele estava fora, ou trabalhava de noite….ou eu…

Durante 2 anos esteve a trabalhar no Porto e eu em Lisboa.

Em 1999 nasceu a Helena. Linda de morrer!

Nessa altura, achámos que não podiamos continuar assim, e que se a obra do Porto ainda ia demorar mais 2 anos, deveriamos ir todos para o Porto viver. Assim foi em 2001. Iamos por 2 anos…já lá vão 13.

Ao fim de 2 anos, acabou a obra e deveriamos voltar para Lisboa, mas…não quisemos. Adorámos o Porto, a qualidade de vida desta cidade junto ao mar e virada para o rio. As pessoas eram encantadoras e muito acolhedoras…queriamos ficar. O Zeca arranjou outro projeto no Porto.

 Recomeçámos um 2º ciclo de vida a 4.

Passado 1 ano no Porto, fiquei grávida. Queriamos um 3º filho e ficámos felizes.

Só que desde o inicio da gravidez, no exame de rastreio pré-natal veio um resultado “suspeito”…a minha filhota poderia ter trissomia 21. Para termos a certeza teria de fazer a amiocentese. Na altura tinha 34 anos.

Fiz a amniocentese e confirmou-se. A Leonorzinha que estava para nascer tinha Trissomia 21…fugiu-nos o chão!!! Eu, sentia-me a cair num precipício sem fundo.

Na altura achei que toda a minha vida tinha acabado e a partir daí tudo seria um pesadelo. A gravidez foi muito triste e muito angustiada…como nasceria a Leonor?

Era muito dificil ter este diagnóstico e não tê-la ao meu lado, para criar laços, intimidade, amor…só sentia medo, angustia…e nada podia fazer senão esperar.

Claro que clinicamente os médicos explicaram-me o que podia fazer, mas isso seria outro testemunho… Apesar de toda a dor que sentia, a minha filha não tinha culpa nenhuma e tem o direito à vida como todos os seres humanos.

 A Leonor nasceu em Março de 2004. Foi uma grande alegria e alivio tê-la nos braços finalmente.

Ver que é de se comer, linda, côr de rosa…parecia uma amêndoa da Páscoa!

Este foi um dos dias que senti maior alegria na minha vida.

A maternidade estava repleta de visitas, tudo falava alto, tudo ria. Lembro-me das enfermeiras estarem atónitas com tanta alegria sendo um bébé com trissomia…

Neste dia começou o capitulo 3 do nosso casamento e da nossa familia.

A Leonor fez mudar tudo.

Arregaçar as mangas e mãos à obra! Estimulação precoce sem nunca esquecer os outros 2 filhotes que sempre foram e são extraordinários.

Tornámo-nos uma familia mais forte e mais unida. Os amigos e familia davam-nos grande apoio e força e crescemos muito.

 A certa altura o Zeca estava com poucas obras no Porto e foi contratado para trabalhar em Lisboa. Acreditam? Agora que estamos todos no Porto, ele vai para Lisboa.

Não quisemos mudar todos outra vez e lá foi ele para Lisboa. Vinha aos fins de semana…mais uma vez separados.

Ao fim de 1 ano assim, surgiu a possibilidade de irmos para São Paulo (Brasil). Ele perguntou-me se estava disposta a ir…. daqui a 1 mês…– Bora lá!

DSC_1753

Família

 

Partimos os 5 para São Paulo. Nunca lá tinha estado.

Adorava o Brasil, mas era Rio de Janeiro, praias, férias…(passámos a lua de mel no Rio).

Falámos com as crianças, explicámos tudo…estavam meio renitentes, mas não havia outra hipotese. Contámos sobre o clima, as praias, os coqueiros….

Aterrámos em São Paulo e eles atónitos!

Uma mega cidade de pedra, 11 milhões da habitantes, sem praia…é isto?

 

Enfim, lá nos fomos ambientando. Nessa altura haviam muitos Portugueses da nossa geração a imigrar e rapidamente fizemos grandes amigos.

Conseguimos pôr os 3 na mesma escola, e nessa escola nesse ano haviam 70 crianças Portuguesas.

Ficámos lá 3 anos. Ao fim de 3 anos, e porque os meus 2 mais velhos eram adolescentes, achámos que São Paulo não era uma boa cidade para se crescer e desenvolver. Faltava “liberdade”.

 

Eles que estavam habituados a viver livres em Portugal, a andar de autocarro para todo o lado desde os 10 anos, a sair de casa de manhã e voltar à noite sem preocupações minhas nem deles, ali tudo era “tenso”. É uma cidade perigosa, nunca sabemos o que pode acontecer. Todos os dias ouvimos histórias terriveis na 1ª pessoa. É pesado.

 

Decidimos então que as crianças e eu viriamos para Portugal e o Zeca ficaria.

Ficaria porque não ter trabalho em Portugal, claro.

Assim estamos até hoje…mais uma vez separados, mas desta vez por um oceano!

Custa muito estar assim. Custa-me a mim e aos meus filhos estarem sem o Pai. Falamos todos os dias por skype o que ajuda muito, mas faz falta.

Ele ainda pior…é um super pai, adora estar presente e sente-se muito sozinho.

O nosso principal objetivo é que ele regresse rapidamente seja para que projeto fôr, de que área fôr… para vêr se é desta que ficamos a familia toda junta.

Aliás, neste momento, o meu filho joão também foi para Lisboa (mas isso é natural…sair do ninho). Entrou na Universidade Nova em Lisboa e joga Rugby na seleção de seven’s em Lisboa.

Por isso, estou em Matosinhos com a Helena e a Leonor.

A nossa rotina é simples mas intensa.

Todos os dias tenho muitos assuntos a tratar sobre a Leonor e também sobre os outros filhos.

Acordo às 06h50 para me arranjar, depois ajudo a Leonor e saimos de casa pelas 08h00 para ir para a escola. A escola dela é em Gaia e começa às 08h30, por isso demoro um bocado, principalmente a voltar pois apanho o transito todo a entrar no Porto.

Vou tratar das coisas da casa, supermercados, arranjos de roupas, máquinas, estragos. Chego a casa, responder mails, tratar de terapias, coisas da escola, etc…

Também sou voluntária em 2 projetos:

  • Congresso O que de Verdade Importa: São congressos de valores. Os palestrantes têm em comum serem pessoas de alguma forma extraordinárias. Ou porque perante uma situação da vida dolorosa conseguiram dar a volta e transformar essa dor em força e transmitem isso a todos ou porque do nada e sem nada, só fazem o bem. É um congresso muito positivo cujos destinatários são jovens pré universitários e universitários.
  • PAIS 21, grupo de amigos e pais de crianças com T21. Onde trabalhamos diariamente campanhas de sensibilização, inclusão, etc.

Somos católicos. Como a alma também precisa de alimento participo em grupos Católicos. Tenho 1 onde estamos há 12 anos que se chama: Equipas de Nossa Senhora. São reuniões em casal. Neste momento frequento sozinha cá em Portugal e o Zeca frequenta sozinho lá no Brasil.Terminei na semana passada uma formação de Facebook Marketing e estou a preparar um Blog – O Blog da Bita – onde falo e conto exatamente um pouco da minha rotina, preferências, alegrias, dificuldades, comidinhas boas que adoro, histórias engraçadas que acontecem à minha volta…um pouco de tudo. Tudo o que considero que pode ser interessante partilhar e acrescentar valor na vida de alguém.O nosso maior objetivo neste momento é que o Zeca volte depressa para junto de nós.

Um beijinho,

Que a minha familia continue a viver feliz o dia a dia e sermos capazes de fazer a diferença boa na vida dos que nos rodeiam!

Bita Belo

[direitos de imagem Bita Belo]

Seja o primeiro a comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.